YOUTUBE

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Legislativo exalta influência da etnia cigana para Itabuna

Pela primeira vez na história itabunense, o Legislativo celebrou o Dia Municipal da Etnia Cigana. A sessão especial, nessa quinta, 24, regada a muita dança e música, exaltou a influência cultural do povo cigano em Itabuna. A inserção da data no calendário de eventos do Município deve-se à Lei 2.422/18, criada por Beto Dourado (PSDB) e sancionada pelo prefeito Fernando Gomes. 

A mestranda Dayse Santos, cuja dissertação “Filhos do Vento” motivou a lei itabunense, defendeu o cumprimento de políticas públicas – em saúde e educação e cultura – junto aos ciganos, mais conhecidos pelo nomadismo. Ela recordou que o Sistema Único de Saúde (SUS) já assegura atendimento médico para esse grupo étnico mesmo sem a comprovação de endereço fixo. Cigano nascido em Ubaitaba, o professor universitário Jucelho Dantas, hoje com doutorado, reconheceu a importância histórica a Lei itabunense. Para o docente, “os ciganos têm esse direito de serem considerados cidadãos”. 

O cigano Cosme Rebouças enxerga a data como “uma vitória”. No ensejo, pediu escolas dentro dos acampamentos. “Os ciganos estão estudando”, justificou. Pela Lei, o Dia da Etnia Cigana deve ser festejado anualmente no dia 24 de maio e organizado pela comunidade cigana radicada no Município. “Precisamos de união para que o povo entenda a importância do ato de hoje”, exortou Beto Dourado. Nesta primeira edição, houve participação de representações governamentais (FICC) e universitárias (UFSB e UESC).

Nenhum comentário:

Postar um comentário